Diga não ao cruel comércio da morte.

Descobrir África


Henry Morton Stanley foi uma figura controvérsia que viveu num momento conturbado da História do século XIX, quando as potências europeias se lançavam à descoberta do continente africano. Mais do que um aventureiro e jornalista, Stanley era um ser insaciável: de aventura, de protagonismo, de sucesso. Galês pobre e abandonado, cedo emigra para Nova Orleães, onde é “adoptado” por Henry Stanley, mercador inglês de algodão de quem adopta o apelido. Depois de várias profissões sem história, encontra o seu destino no jornalismo e é já como repórter do “New York Herald” que parte para África com uma missão específica: encontrar o célebre explorador escocês Livingstone, de quem há anos não se tinham notícias, desconhecendo-se se estaria vivo ou morto. O jovem Stanley esteve à altura da sua missão: encontrou o explorador em Ujiji, nas margens do Tanganica (actual Tanzânia), sem dinheiro para prosseguir a sua missão ou regressar a casa.“Através do Continente Negro”, que a Publicações Europa-América acaba de editar, começa precisamente aí, quando regressado a Inglaterra da Guerra Ashanti, Santley sabe da morte de Linvingstone e empreende uma nova viagem de exploração por África, desta vez em busca das nascentes do Nilo e acabando por descobrir o rio Congo.É um relato na primeira pessoa, este em que Santley descreve as venturas e desventuras da viagem empreendida por África para terminar a missão que Livingstone tinha deixado inacabada: nada mais nada menos que recolher mais informações sobre o lago Vitória, descobrir as nascentes do Nilo e explorar a metade ocidental do continente africano, ainda desconhecida. A viagem era patrocinada, em parceria, por jornais dos dois lados do Atlântico: o inglês “Daily Telegraph” e o norte-americano “New York Herald”.Numa narrativa muito viva e entusiasmante, repleta de peripécias bem contadas, Santley dá conta das descobertas, das dificuldades, das guerras entre e com as tribos, das doenças e mortes que assolam a comitiva, das traições e fidelidades, das surpresas – atente-se, por exemplo, no “caso” dos rinocerontes de corno duplo!Ou seja, Stanley narra a aventura, mas não se fica por aí: oferece aos seus leitores uma descrição pormenorizada de tudo o que encontra: descreve povos, costumes, flora e fauna de uma África então quase desconhecida. Este é ainda o primeiro dos dois volumes que dão conta da expedição, completados por um mapa desdobrável e 149 gravuras a preto e branco. Memorável.
__________
Henry Morton Stanley
Através do Continente Negro (Vol. I)
Publicações Europa-América: €27,50