A Filha de Homero


Afinal não foi Homero que escreveu “A Odisseia”. O famoso poema épico grego, provavelmente datado do Séc. VIII a.C., foi escrito pela princesa Nausicaa. Para o romancista londrino, Robert Graves, terá sido esta siciliana a autora do livro. A ideia não é nova, e podemos assegurar que se baseia, claramente, nas teses de Samuel Butler. Aqui tudo gira em torno de Nausicaa. A narrativa de aprendizagem histórica retrata-nos os dramas, evidencia as tragédias e mergulha-nos, profusamente, nas paixões desta princesa do país dos Feácios (povo da mitologia grega) que desejava atingir a imortalidade através de um dos principais poemas da história da literatura universal.
Dotado de um léxico que mistura com grande arte e engenho o real histórico à imaginada ficção deste autor inglês, o livro é também um tributo a esta personagem da Odisseia, incondicional admiradora de Homero. Nausicaa, uma heroína do oeste siciliano parece ter soltado os seus dois irmãos da morte e salvado o trono do pai (o hospitaleiro Rei Alcínoo que ajudou Ulisses num naufrágio) de um usurpador sem escrúpulos. No meio de tanta bravura e destreza, muito característico das epopeias, a perícia desta princesa permitiu-lhe ainda livrar-se de um maldito casamento detestável.
O New York Times diz que Robert Graves, um grande estudioso da mitologia, aplicou, em “A Filha de Homero”, toda a sua mestria psicológica e arqueológica. É caso para se dizer que menos não seria de esperar deste que foi considerado um dos melhores escritores ingleses do século XX. Robert Greves, com cerca de uma centena de livros publicados, ficou, essencialmente, conhecido pela sua poesia. No entanto, os seus romances históricos continuam a perpetuar-se ao longo dos tempos. Outro dos grandes best-sellers deixados por Graves foi “Rei Jesus”, um polémico livro que nos remete para um trágico e atormentado Jesus Cristo, inimigo das mulheres.

__________
Robert Graves
A Filha de Homero
Quetzal Editores, 16,95 €

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.