Cristina Carvalho | O Gato de Uppsala


1- O que representa, no contexto da sua obra, o livro «O Gato de Uppsala»?
R- Realmente, este romance foi uma experiência. Saí da minha linha de escrita. Ou por outra, consegui sair da "marca" das minhas histórias anteriores. Desliguei-me completamente de mim. Desafiei a minha imaginação, o que não é fácil ao fim de tantos e tantos anos a escrever com um certo rumo. Esta frase - tantos e tantos anos a escrever - não quer dizer que tenha publicado tantos e tantos livros! Nem pensar! Tristemente, chego à conclusão que publiquei antes deste, apenas 4 livros. Escrevi muito, é verdade. Mas do escrever muito à grande publicação vai um passo enorme. Tive pouco tempo toda a minha vida. Trabalhei muitos anos, tive filhos. Às tantas, temos de escolher. E, como sabe, para escrever livros ou para pintar quadros ou para desenhar vestidos, é preciso silêncio, concentração, experiência que vem desse silêncio e dessa concentração. E a vida é curtíssima! Eu quis escrever, eu quis amar, eu quis ter filhos, eu quis os meus amigos, eu quis e quero ler muito, ouvir muito, viajar muito, sonhar ainda mais; eu quero sentar-me nas pedras do meu jardim e não fazer nada, nada, nada. Quero escutar o silêncio da noite, o silêncio dos dias, o piar dos pássaros da noite, o remexer das folhas nas árvores. Eu quero tudo e sei que vou morrer com tão pouco, com quase nada.Estou a fugir à pergunta, não é? Pois, no contexto da minha obra que eu espero que finalmente cresça, este livro, O Gato de Uppsala, é uma feliz experiência. Ao escrevê-lo senti uma espécie de felicidade, uma espécie de alegria, se assim se pode chamar aquilo que senti e que gostava de transmitir a quem o possa vir a ler.

2- Qual a ideia que esteve na origem do livro?
R- Eu sempre desejei escrever qualquer coisa a que pudesse chamar de -Natural- O romance O Gato de Uppsala, para mim, é um hino à Natureza e apenas isso. Quando o comecei a escrever, pensei em tudo e não pensei em nada. Quis dedicar esta história à minha Terra, ao meu planeta Terra, ao céu, aos astros, às árvores, aos "bichos todos", ao mar, às rochas do mar e às gargalhadas das suas gaivotas; à terra pela terra que é, a tudo o que é natural e a tudo o que compõe a Natureza porque eu sou parte dela, nasci dela e a ela voltarei, assim como toda a gente. Digo isto não no sentido religioso, mas no sentido cósmico, mágico, impenetrável, indecifrável e infinito. Secreto.Portanto, na origem desta história, está o meu sentimento pela Natureza. Pela Natureza em paz e pela paz da Natureza.

3-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Estou a meio dum romance que deverá estar pronto em Setembro para ser publicado logo no início do próximo ano. Estou também em fase de revisão dum outro romance já terminado.
__________
Cristina Carvalho
O Gato de Uppsala
Sextante Editora
Blogue do Livro: http://www.gatoduppsala.wordpress.com/

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.