O Brasil brasileiro

O que sabe o português comum do Brasil, dos brasileiros, da vida que eles fazem, da sua economia, da política, do futuro? Aparentemente, poderíamos saber muito: uma forte comunidade brasileira no nosso país deveria ter oleado a transmissão desse conhecimento e a apetência pelo sol das estâncias turísticas do lado de lá do Atlântico facilitaria a transfusão cultural. Ainda mais se fosse vivo o afecto recíproco que deveria irmanar dois povos com a mesma língua – ou não houvesse um acordo ortográfico já em vigor e televisões aos molhos acessíveis nas televisões por cabo.
Não é isso que importa para aqui. A abordagem ao mundo brasileiro pela mão de Alain Rouquié é a de um estudioso dedicado e atento (já com outras obras sobre o mesmo tema), mas também é legível um enorme carinho e esperança, a fazer jus àquilo que muito se propaga: o Brasil está a caminho de ser um dos grandes no mundo, e não apenas no futebol, no carnaval ou nas favelas. Veja-se a outorga da realização dos Jogos Olímpicos de 2016, como sinal dessa confiança internacional.
O autor acrescenta ao título – “O Brasil do Século XXI” – o esclarecimento de que se trata do “nascimento de um novo grande” e não deixa dúvidas de que, na sua leitura da situação, Lula da Silva é um desbravador do caminho que leva à hiperbólica imagem de um mundo de “miséria e esplendor, eldorado e inferno”.
A eleição do actual presidente suscita-lhe, desde logo, a questão de como “um operário torneiro apoiado por um partido de sindicalistas” alcançou o poder, “num país campeão do mundo das desigualdades sociais”. Para chegar à explicação, não hesita em recorrer à História para discorrer sobre o presente e o futuro.
Então, começa por anotar a origem do nome, a madeira de brasa, uma “reserva escarlate” que se acobertou na designação mais conhecida de pau-brasil, disputada pelos europeus nos séculos de descoberta e saque. Passa depois às condições históricas que permitiram a preservação e alargamento do território para oeste, conquistando a Amazónia: a Espanha pós-tratado de Tordesilhas empenhava-se na “organização imperial dos seus vice-reinos americanos”, engodada no ouro, e a “unidade ibérica (1580-1640) favorecia os desígnios lusitanos” de manter a expansão brasileira.
Não esquece, claro, os povos autóctones, os índios interminavelmente dizimados à mão dos colonizadores (e por isso os seus traços fisionómicos são hoje tão difíceis de detectar) nem o pesadelo dos desembarques de escravos que seriam determinantes na face multirracial (e da desigualdade social daí decorrente) da população actual – somada à origem diversificada de sucessivas ondas migratórias de várias origens.
Abreviemos esta viagem pelas origens, para cair na realidade deste século XXI, em que os “resultados positivos da abertura económica e da ‘desestatização’ não devem criar ilusões”. Rouquié sublinha a elevada vulnerabilidade externa da economia brasileira e o facto de periodicamente aparecerem dúvidas quanto à sua sustentabilidade, com os mercados financeiros e o FMI a manifestarem-se preocupados. E faz o ponto da tradicional influência do Estado (e dos militares, claro) em tudo o que mexe no país. Dá, a propósito, o exemplo da Embraer, um dos primeiros exportadores dos dias que correm mas que motivou um confronto com a Força Aérea, que a tinha lançado e se rebelou no processo de transição tecnológica para a aviação civil.
Trata-se de exemplos, para a inevitável conclusão de que “o Brasil do século XXI começa em 1994”, pois mudou mais desde então do que nos trinta anos precedentes, mesmo com o reconhecimento de que “não curou os seus males seculares, a pobreza e a desigualdade”.
“Cidadania e exclusão são os dois termos principais da problemática brasileira”, escreve o autor, mas salvaguarda que o Estado tem os recursos e as competências necessárias à aplicação de políticas eficazes na guerra à exclusão e a todas as suas formas.
Quando isto foi pensado e escrito ainda não se conhecia o desafio que constitui a organização dos olímpicos daqui por pouco mais de seis anos. Nessa altura, o Brasil pós-Lula vai ter de enfrentar todo um conjunto de desafios, que se agudizam com o relevo crescente do país na cena internacional. A violência e a estabilidade social estarão no centro dos olhares, sem dúvida.

------------------
Alain Rouquié
O Brasil do Século XXI – Nascimento de um novo grande
Instituto Piaget, 24,15 €

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.