Ciência e fé

O norte-americano Robin Cook é considerado o fundador do género literário “thriller médico” e o seu melhor autor – e basta ler um dos seus muitos livros para perceber porquê.
Aos conhecimentos da sua formação académica (é médico oftalmologista, doutorado em Harvard), Cook junta um verdadeiro domínio da arte do suspense policial, criando enredos que prendem o leitor até ao final. A sua mais recente obra publicada em Portugal, “Intervenção”, não desilude os muitos fãs do autor.
Desta vez, Cook aventura-se num campo que lhe é menos habitual. Seguindo as tendências actuais, o autor explora o veio dos segredos históricos, tendo na base do enredo uma disputa entre um alto representante da Igreja Católica e um arqueólogo (coadjuvado pela mulher, especialista em ADN mitocondrial), que personifica a ciência. Ou seja, o clássico confronto entre ciência e fé, com os ingredientes do século XXI.
Em causa o conteúdo de um ossário descoberto no túmulo de S. Pedro, em Roma. O segredo sobre a pertença dos restos mortais pode ter consequência enormes para ambos – e, sobretudo, para as instituições sociais que representam. Especialmente o cardeal da arquidiocese de Nova Iorque não está nada interessado em ver o dogma da infalibilidade papal ser questionado, numa altura em que a Igreja é alvo de uma série de ataques devido às acusações de pedofilia no seu seio.
No centro desta trama está Jack Stapleton, um médico legista devastado pela grave doença do filho bebé e obcecado em denunciar as chamadas medicinas alternativas. Por isso, quando os dois antigos colegas de faculdade o elegem “árbitro” da sua disputa, Stapleton só pode agradecer a distracção que o estudo do ossário proporciona ao seu sombrio quotidiano.
E de forma tão comum actualmente, o romance termina sem conclusões e com muitas dúvidas místicas a pairar… atingindo até o tão descentre médico legista.
___________________
Robin Cook
Intervenção
Publicações Europa-América, 22,90€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.