Manuel Jorge Marmelo | Uma Mentira Mil Vezes Repetida


1- O que representa, no contexto da sua obra, o livro «A Mentira Mil Vezes Repetida»?
R- É, espero, o fecho de um ciclo que dediquei àquilo a que chamam metaliteratura, à literatura que tem como centro a própria ideia de literatura. Nesse sentido, é o fim da tetralogia iniciada com Os Fantasmas de Pessoa e que continuou com Aonde o Vento Me Levar e As Sereias do Mindelo. Mas também acho que já disse isto antes e, depois, acabei por voltar a enredar-me.

2- Qual a ideia que esteve na origem do livro?
R- O livro parte da ideia de que o espaço fechado de um autocarro, ou de outro transporte público qualquer, pode funcionar como uma espécie de máquina literária, um sítio onde as histórias se contam e ouvem, levando os participantes a viajar para muito mais longe do que aquilo que o autocarro ou o metro permitem. Essa é a função do falso livro que o personagem principal carrega no autocarro: incluir todas as histórias que se queira inventar.

3-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R-Neste momento estou a escrever a resposta à pergunta anterior. Num sentido mais lato, estou na redacção de um jornal onde se espera que escreva notícias. Às vezes, à noite, ao fim do dia, ainda encontro ânimo para escrever outras coisas, e faço-o, que hão-de ganhar corpo e sair para a rua quando for o tempo certo.
__________
Manuel Jorge Marmelo
Uma Mentira Mil Vezes Repetida
Quetzal, 15,90€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.