Nuno Amado | Ups! Já fiz Asneira Outra Vez


1- De que trata este seu livro Ups! Já fiz Asneira Outra Vez?
R- Trata dos erros mais comuns da nossa natureza, erros pequenos como pagar uma anuidade de um ginásio a que só vamos durante dois meses, e erros grandes como permanecer numa relação infeliz porque achamos que já investimos demasiado nesta. Neste livro falo da memória, das aparências, da busca da felicidade, do poder do contexto e de várias áreas da nossa vida do dia-a-dia onde inúmeras investigações têm revelado as asneiras, enviesamentos e escorregadelas mais comuns da natureza humana. Procurei fazê-lo de forma leve e com humor.

2- De forma resumida, qual a principal ideia que espera conseguir transmitir aos seus leitores?
R- Pretendo transmitir não apenas a ideia de que errar é humano, como de que existem erros típicos da natureza humana com os quais podemos aprender lições valiosas. Para isso falarei da forma como nos relacionamos com o passado e com o futuro, da confiança que depositamos nas nossas memórias, do que nos faz dar valor a este ou aquele bem e de outros aspectos da nossa natureza mais propensos ao erro. Mas, acima de tudo, quero transmitir a ideia de que os erros da nossa natureza são altamente compensados pelas suas inúmeras qualidades e capacidades, entre as quais se encontra uma das mais preciosas: a de aprender com os próprios erros.

3-Errar é humano, costumamos dizer. Mas, a verdadeira questão não será: como não repetir erros?
R- Penso que a questão não deve ser como não repetir erros, mas sim como errar melhor. E erra-se melhor estando atentos à nossa natureza e preparando-nos para as situações, temas e contextos onde o erro é mais provável. Quem sabe que vai andar sobre terrenos escorregadios pode calçar os sapatos certos. Além de informar e divertir, espero que o livro possa também fornecer alguns “sapatos mentais”.
__________
Nuno Amado
Ups! Já fiz Asneira Outra Vez
Oficina do Livro, 14,50€

LER Entrevista sobre o livro "Diz-me a Verdade sobre o Amor"

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.