Almeida Maia | Bom Tempo no Canal



1 - O que representa, no contexto da sua obra, o livro "Bom Tempo no Canal"?
R- "Bom Tempo no Canal - A Conspiração da Energia" é uma obra de ficção, cuja história tem lugar nas ilhas açorianas. Aborda questões ligadas às energias renováveis e à liberalização do mercado de fornecimento de energia - e as suas consequências -, numa trama em que se envolvem as personagens numa conspiração quase "terrorista" contra uma empresa local que explora a energia geotérmica. Embora seja de pouco conhecimento do público do continente português, a ilha açoriana de São Miguel, por exemplo, já produz mais de 60% da sua electricidade apenas com o calor natural que emana do interior da Terra. Ao desenvolver este tema, não só o leitor se vê envolvido numa história alucinante, que passa por paisagens deslumbrante das ilhas, mas também fica a conhecer um pouco mais acerca destas tecnologias. A personagem principal, John Mello, é um descendente de açorianos que assume o cargo de Director-Geral da empresa que gere.

2 - Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R- Embora já tivesse passado por experiências de escrita anteriormente, esta obra foi diferente por ter sido elaborada especificamente para concorrer a um concurso literário. Neste caso, participou e saiu vencedora do "Concurso Literário Letras em Movimento 2010", organizado pela "Associação Ilhas em Movimento". Uma das regras deste concurso era escrever um texto sobre os Açores, ou que a história tivesse lugar nas ilhas. Ao juntar ambas as pretensões da organização, consegui trabalhar um tema ainda pouco conhecido, mas com implicações bastante significativas. Se pensarmos bem, tendo o petróleo os seus dias contados - e anunciados ao mundo -, quais serão as fontes de energia que se seguem? Todas as renováveis são inconstantes - o vento não sopra sempre, as ondas não rebentam com intensidade constante, até o sol não brilha diariamente com a mesma intensidade (embora a energia solar seja a mais eficiente), ao contrário da geotermia. Quando não existir calor no interior da Terra, já a raça humana estará extinta. Ao desenvolver o tema, acabei por me envolver de tal forma que quase nem me apercebia estar a escrever: o trabalho de investigação foi mágico!

3 - Pensando o futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Bem, além do trabalho de promoção desta primeira obra, que está a ser feito - de forma muito dinâmica, a meu ver -, incluindo planos para apresentações do livro em diversas ilhas açorianas, continente e mercado da saudade, assim como divulgação em diversos meios de comunicação e alargamento da rede de distribuição por parte da editora, encontro-me a escrever uma sequela deste "Bom Tempo no Canal". Isto porque, apesar de no final do enredo chegarmos a uma conclusão (até porque desagradam-me finais demasiado abertos), é lançado um novo mote: a descoberta das ilhas açorianas por povos que não os portugueses. Independentemente do povoamento e do crédito que os nosso navegadores tiveram - que é louvável -, há partes da História que não estão suficientemente bem entrosadas com as de outros povos. Posso então adiantar que a arqueologia, o fundo dos mares açorianos e a dúvida em relação aos Descobrimento dos Açores pelos portugueses serão os temas que o leitor poderá encontrar aprofundados no segundo romance. Caso o leitor deseje estar a par dos acontecimentos, pode fazê-lo através dos endereços do Blogue Oficial (www.almeidamaia.com), e do Facebook (www.facebook.com/AlmeidaMaiaAzores). Existe também um vídeo teaser, bastante aliciante, que pode ser visto em http://www.youtube.com/watch?v=MjgmeDaGjcM.
__________
Almeida Maia
Bom Tempo no Canal

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.