As crenças de África


“Passei oito a nove meses na África Oriental em 1966. Um mês na Tanzânia; mais ou menos seis semanas nas terras altas do Quénia; o resto do tempo no Uganda. Alguns anos mais tarde até usei uma versão do Uganda numa peça de ficção; só se pode fazer isso se acharmos que temos uma boa ideia de um lugar, ou uma ideia suficiente para as nossas necessidades. Quarenta e dois anos depois dessa primeira visita voltei ao Uganda. Esperava iniciar lá este livro acerca da natureza da crença africana e pensei que seria melhor ambientar-me ao meu tema num país que conhecia ou semiconhecia. Mas encontrei um lugar que me iludiu.”. Assim inicia V. S. Naipaul o seu ensaio “A Máscara de África”, publicado originalmente em 2010 e em Portugal, pela Quetzal, nos finais de 2012.
O escritor, natural de Trinidad e vencedor do Nobel da Literatura de 2001, fez um périplo por África – começando no Uganda e passando pela Nigéria, Gabão, Costa do Marfim, Gana e terminando na África do Sul – com o objetivo de entender as crenças do Continente, das mais ancestrais às que sofreram alterações por influência da religião ou mesmo da globalização. O resultado foi este ensaio de quase três centenas de páginas.
Para este livro dedicado às crenças religiosas, Naipaul socorreu-se de todas as fontes vivas possíveis: falou com académicos e políticos, conversou com as pessoas da terra, ouviu lendas e superstições, observou rituais. E concluiu que em África, no princípio e no fim de todas as crenças está esse chamamento, ou apelo, inexplicável da floresta – e dela que vem o mistério e a energia.
O autor quis perceber como se fundiram o cristianismo e o islamismo com as crenças africanas. “A Máscara de África” é, assim, um livro de certa forma inclassificável, um misto de crónica de viagens, reportagem, ensaio antropológico. A unir os diversos estilos está a escrita poderosa de Naipaul, que nesta obra vai mais além e transcende (se tal é possível) a sua excelência literária.
__________
V. S. Naipaul 
A Máscara de África
Quetzal, 17,70€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.