Teresa Lopes Vieira | O Albatroz



1- O que representa, no contexto da sua obra o livro "O Albatroz"?
R- Tendo em conta que os meus dois livros anteriores se passam fora de Portugal e têm viagens subjacentes (O primeiro, na América do Sul; o segundo, entre Amesterdão e o Egipto), desta vez decidi fazer algo muito diferente. A personagem principal – um homem chamado Jesus –  não sai de casa, e deixa que sejam as coisas, as pessoas e os sítios a virem a ele. Ou seja, ele fecha-se num apartamento, sem poder sair, de uma certa forma para fugir dos outros. Mas estes não o deixam em paz. São os vários protagonistas que vão organizando o enredo. Contrariamente àquilo que é tradicional, este é um enredo que anda, não tanto para a frente, mas mais em rodopio à volta de si mesmo.

2- Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R- Interessava-me despojar alguém de todas as suas bases sociais, para ver o que acontecia. Logo nas primeiras páginas, Jesus perde a namorada, o pai e o emprego. De qualquer modo, ele já não era uma pessoa muito normal, portanto aquilo tem um efeito bastante catastrófico. Queria responder à pergunta seguinte: até que ponto nós somos só nós, ou também aquilo que nos acontece? Depois, há toda a questão do antagonismo familiar, esta é sobretudo uma história entre dois irmãos, muito diferentes. Parecia-me um tema cheio daquelas questões que estão no fundo no cerne do comportamento humano.
É um conjunto fragmentado de vozes, histórias, queixas, dramas e buscas; que é todo puxado, por força centrípeta, para o mesmo espaço.

3- Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Várias coisas, interesso-me, além dos romances, por poesia e contos. Tenho também um blogue (www.teresalopesvieira.blogspot.com) onde publico crónicas. E estou a trabalhar num romance, mas... não quero falar sobre ele, acho que dá imenso azar!
__________
Teresa Lopes Vieira
O Albatroz
Bertrand, 16,60€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.