Vitor Manuel Araújo de Oliveira | A Evolução das Formas Urbanas de Lisboa e Porto nos Séculos XIX e XX



1-De que trata este seu livro "A Evolução das Formas Urbanas de Lisboa e Porto nos Séculos XIX e XX"?
R-Este livro tem por base um trabalho de investigação em Morfologia Urbana, a ciência que estuda a forma urbana. Tomando Lisboa e Porto como objeto de análise, o livro centra-se no modo como as formas urbanas (as ruas e as praças, os quarteirões, os edifícios correntes e os edifícios excecionais) destas cidades foram evoluindo ao longo dos dois últimos séculos. Procura perceber não só a dimensão física das cidades, mas também o modo como os diferentes atores e os diferentes processos de transformação foram moldando essa dimensão física. Neste sentido, dedica especial atenção à ação pública sobre o território, materializada na prática de planeamento urbano, percebendo as alterações que essa mesma prática foi sofrendo desde meados do século XIX até aos nossos dias. A primeira parte do livro oferece ao leitor um enquadramento teórico e metodológico em Morfologia Urbana, identificando as suas origens, desenvolvimentos e características fundamentais das suas abordagens dominantes. Este enquadramento suporta a construção de uma matriz de análise que irá ser aplicada no estudo de Lisboa e Porto. Na segunda parte caracterizam-se os processos de expansão das duas cidades, identificando diferentes padrões em diferentes tempos e espaços destas cidades, e evidenciando os impactos dos grandes documentos de planeamento.

2-De forma resumida, qual a principal ideia que espera conseguir transmitir aos seus leitores?
R-A ideia fundamental é que o campo de conhecimento da Morfologia Urbana, com os seus avanços mais recentes em termos de teorias, conceitos e métodos, pode dar um contributo fundamental ao modo como estudamos ou como planeamos as nossas cidades. Exemplo deste potencial é a proposta de um novo método – o Redesenho Cartográfico – claramente posicionado no campo da morfologia urbana. O livro descreve a sua formulação e aplicação a Lisboa e Porto revelando todo um conjunto de aspetos inéditos sobre a evolução das formas urbanas destas duas magníficas cidades ao longo dos séculos XIX e XX.

3-As duas cidades têm semelhanças na sua evolução ou cresceram de formas completamente distintas?
R-Tratando-se de duas cidades Portuguesas, Lisboa e Porto partilham um conjunto de semelhanças. No entanto, há também uma série de diferenças fundamentais entre as duas. Em termos dos elementos de forma urbana das duas cidades é possível dizer que estes apresentam um conjunto de semelhanças nas fases inicial e final do período em análise (séculos XIX e XX), e diferenças numa fase intermédia, correspondentes à emergência de novos elementos formais na cidade de Lisboa – as circulares, o parque verde de Monsanto, o Instituto Superior Técnico, e as experiências de habitação social. Outras diferenças prendem-se com um ritmo de expansão mais acelerado em Lisboa do que no Porto; com uma expansão urbana Lisboeta que se realiza através de grandes «blocos territoriais» (por oposição a um crescimento «rua a rua» na cidade do Porto); com uma expansão até meados do século XX mais concentrada em Lisboa e mais dispersa no Porto; e ainda com uma atividade de planeamento urbano com maiores impactos em Lisboa devido, numa primeira fase (final do século XIX), à ausência de uma visão estratégica Portuense e, numa segunda fase (meados do século XX), a uma maior disponibilidade de recursos financeiros em Lisboa.
__________
Vitor Manuel Araújo de Oliveira
A Evolução das Formas Urbanas de Lisboa e Porto nos Séculos XIX e XX
Editorial UP, 15,50€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.