Filipa Martins | Mustang Branco

      (Foto: Pedro Campos)

1- O que representa, no contexto da sua obra o livro "Mustang Branco"?
R-“Mustang Branco” representa uma mudança de olhar: O narrador tornou-se personagem. Representa ainda uma mudança de época: a actualidade tomou conta da trama. Representa, também, uma mudança de perspectiva: os factos são contados no feminino de forma crua e elegante, combatendo o preconceito de que a escrita no feminino é feita a partir de tules, alcofas e sentimentalismo.  

2- Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R-Parti de um aforismo - "raramente nos encontramos no dia a que chamamos o dia de hoje" - para escrever um livro sobre recomeços.

3- Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R-A minha obra só existe no contacto com o exterior, como se o latente necessitasse do dia-a-dia para se tornar literatura. Assim, sei que preciso de não escrever para poder escrever. Nos intervalos estou a observar, a assimilar, a compreender e a intelectualizar a realidade e a ficcionar. Sou obcecada pelo detalhe e pelo invisível, mas tangível. Aí está a minha matéria prima. Por norma, escrevo rápido, após o tiro de partida. Isto porque o trabalho de recolha sensorial já foi feito.   

__________
Filipa Martins
Mustang Branco
Quetzal, 16,60€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.