Crescer é cansativo

Crescer não é fácil. Deixar a vida despreocupada da infância e entrar na problemática juventude, com tudo o que isso implica de opções que influenciarão a entrada na vida adulta, é um percurso com muitos momentos dolorosos. Qual de vós, leitor, não o sentiu?
Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil é um romance centrado na vida de um jovem nova-iorquino de 18 anos, mas contrariamente ao que se possa pensar não é um drama existencial repleto de desespero e situações limite. Pelo contrário.
Peter Cameron centrou o enredo em James, um rapaz sofisticado, culto, amante de literatura e arte, filhos de pais divorciados bem situados na vida. O jovem assume-se como desadaptado, mas um desadaptado que observa o que o rodeia com uma fina ironia.
Um longo de menos de uma quinzena de verão – de 24 a 30 de Julho – tudo o que é importante na vida deste rapaz desfila sob o olhar do leitor, com as suas interrogações, leituras do mundo, sensibilidades e escolhas.
Face à expectativa de ingresso na universidade no outono que se aproxima, James baralha a família com a sua decisão de não prosseguir os estudos e refugiar-se numa casa antiga numa pequena cidade do Midwest, que incessantemente procura na Internet. Motivo? Considera sem interesse o que poderá aprender e, sobretudo, horroriza-o o convívio com jovens da sua idade.
James observa com um distanciamento analítico mais um casamento da mãe que não resiste à lua-de-mel, a relação amorosa da irmã com um intelectual casado, o trabalho do pai, e a busca por um parceiro levada a cabo pelo assistente da galeria de arte da sua mãe, onde está a trabalhar durante as férias.
O seu amor incondicional vai para a avó, em casa de quem se recolhe quando sente necessidade de confirmar que tudo está como devia e a quem faz confidências.
Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil é um livro surpreendente, admiravelmente escrito, que se lê de um fôlego.
_____________
Peter Cameron
Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil
Marcador, 15€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.