José Vieira | Estranhas Coincidências


1. O que representa, no contexto da sua obra o livro "Estranhas Coincidências"?
R-“Estranhas Coincidências” é o início desta aventura. Foi a concretização de um antigo sonho, por isso, este primeiro livro será sempre lembrado com carinho e, possivelmente, nostalgia. E como qualquer início espero que seja muito auspicioso.

2. Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R-Quando escrevi o “Estranhas Coincidências” em momento algum pensei que seria editado. Este livro surge em 2013, em grande medida resultado das vivências pessoais da época. Recordo que resolvi participar num concurso literário e como tal escrevi pequenas estórias. O principal intuito não era o concurso literário em si mas a escrita. Lembro que foi uma espécie de terapia… Sem dúvida uma necessidade! Escrever o “Estranhas Coincidências” foi um escape da realidade. Soube bem! E o resultado foi publicar o livro, meses depois.

3.Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R-Neste momento, estou a escrever algo diferente do primeiro livro. “Estranhas Coincidências” é um livro de contos e agora estou dedicada a um romance. É muito diferente a forma como cada género surge e se apresenta. Para este novo livro parti de uma história familiar. Cresci a ouvir a minha avó Virgínia, avó materna, contar histórias. Era uma verdadeira contadora de histórias! Uma delas era sobre a sua história de amor com o meu avô. Eles ficaram quase dez anos separados um do outro, porque como muitos da sua época, o meu avô teve que emigrar para a Venezuela, na época terra de mil promessas. Assim, um dia pensava no que iria escrever, já o “Estranhas Coincidências” estava em processo de edição, quando recordei essa fase da vida dos meus avôs. E considerei, porque não? A essência do livro é então a vida daqueles dois seres em meados dos anos cinquenta. Claro está que o resto do enredo resulta da imaginação.
__________
José Vieira
Estranhas Coincidências
Chiado Editora

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.