Rui Campos | Sementes do Algodão

1-O que representa, no contexto da sua obra, o livro “Sementes de Algodão”?
R- Representa uma viagem ao mundo onírico em busca de desejos e memórias, esmagadas pelos anos apesar do inconformismo. Uma relação impossível entre dois seres, de idade precoce, separados por acontecimentos a que são alheios e que não podem dominar nem contornar. Uma viagem longa no espaço e no tempo, mas também uma incursão ao património português, de que sobressaem algumas estações de caminho-de-ferro e beleza da sua azulejaria.
Uma descrição inocente, como inocentes são os protagonistas, direta e de fácil leitura.
- E se houvesse telemóvel?
- Então, não haveria romance nem sonho.

2- Qula a ideia que esteve na origem deste livro?
R- O impacto do 25 de Abril de 1974 nos jovens de então que, tal como os de hoje, são pouco tidos em conta. O seu futuro cortado pela base, a sua infância interrompida por ações e atos de adultos. Talvez uma metáfora do que aconteceu a muitos jovens, cuja integração, em sociedades que desconheciam e para onde foram atirados, foi muito difícil apesar do seu espírito aberto, provado através dos grandes grupos que agora se formam nas redes sociais, numa tentativa de reviver tempos e memórias que lhes foram arrancadas.

 “Tu sorriste e sussurraste
"Sou da mesma terra que tu!
Ana Paula Lavado in Um Beijo Sem Nome

3-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Depois de 3 contos, em coletânea, em curso está um novo romance, que me está a ser difícil terminar, onde, de forma muito simples e direta é abordado o tema do racismo e a sua implicação nos jovens de então, adultos maduros de hoje. 
__________
Rui Campos
Sementes de Algodão
Lugar da Palavra

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.