António Cândido Franco | Biografia de Agostinho da Silva

1. Como lhe surgiu a ideia de escrever sobre a vida e a obra de Agostinho da Silva?
R- Agostinho da Silva viveu 88 anos, distribuiu-se por geografias várias, viveu 25 anos fora de Portugal, deitou ao mundo oito filhos. Demais, publicou uma obra imensa, com centenas de livros. Só dos “cadernos de iniciação cultural”, entre 1940 e 1946, publicaram-se 10 séries, cerca de duas mil páginas. Não havia ainda uma única biografia de Agostinho da Silva, embora existissem subsídios biográficos parcelares da autoria de Artur Manso, Helena Briosa ou Romana Valente Pinho. Foi o bastante para me atrair a insana tarefa.

2. Esta é uma biografia de grande fôlego (mais de 700 páginas): o que podem os leitores encontrar de novo e mais significativo para melhor compreenderem Agostinho da Silva?
R- Preocupei-me em seguir passo a passo a vida de Agostinho, o que ficou longe de ser tarefa concluída, deixando desde já em aberto a chegada de novos estudos biográficos. Quis ainda restituir o escritor, tão secundarizado em relação ao pensador e ao filósofo. Não faço justiça ao meu biografado, pois fazer-lhe justiça era mudar a vida no sentido que ele tanto desejou, a do reino da fraternidade universal, mas reconheço-lhe a gigantesca dimensão moral e verbal, primeiro passo para uma compreensão mais exacta da medida e do valor da personagem.

3. Na imensa pesquisa que desenvolveu, o que mais o surpreendeu?
R- A grandeza moral desta vida, o seu sentido da aventura, a sua ousadia e o seu risco foram a maior surpresa, pois da estatura colossal do escritor já eu dera conta ao longo de anos de leitura. Agostinho da Silva foi um grande escritor da língua e é como tal que o conto. Não é porém um escritor arrumado, cuja vida se desfaz em inconsequências. Quanto mais se conhece o seu dia-a-dia, mais a nossa admiração cresce.
__________
António Cândido Franco
O Estranhíssimo Colosso - Biografia Agostinho da Silva
Quetzal, 24,40€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.