Guilherme Valadão | Era uma vez em Angola


1- “Era Uma Vez em Angola" é uma obra de estreia: como espera poder olhar para este livro daqui a 20 anos?
Se eu tivesse mais 20 anos para viver e pudesse voltar a olhar para este livro a uma tão longa distância no tempo, olhá-lo-ia, por certo, com o interesse que emprestamos a um momento importante do nosso passado, não pela narrativa mas pelo conteúdo. Um momento em que fizemos parte intrínseca das suas páginas e daquilo que elas retratam. E, neste caso, por maioria de razão porque nele está o relato de uma parte da minha vida que eu não quero esquecer.

2- Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
Na origem deste livro esteve sempre a ideia - ou, quem sabe, se a esperança! - de que as minhas netas, inglesas de nascimento, educadas no seio de uma família inglesa, e nativas dessa língua, pudessem um dia conhecer melhor a minha vida e terem de mim, senão as memórias de uma infância feliz na minha companhia, pelo menos a certeza de que foi um homem bom que à mãe delas deu a mais bela e mais cuidada formação como mulher e ser humano admirável, amável e consciente.

3- Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
O meu futuro já começou há muito tempo. Mas o que escrevo em prosa é sobre o meu passado. Um passado rico, de experiências muito diversas, de uma vida cheia e relativamente longa. E também deste presente um pouco amargo, escrevo eu. Escrevo sobre tudo isso na tentativa de encontrar uma ponte brilhante entre o passado e o presente. è mais uma interpretação da linguagem das sombras que o sol ameaça com a sua luz. Uma tradução cósmica sem dicionários. Sobre o futuro tenho a poesia - aquela que se sente e se confia às palavras soltas. Entre umas coisas e outras existe sempre um projecto íntimo que não se revela a olhares estranhos.
E, no entanto, o que gostaria de mostrar, depois deste primeiro livro, seria um segundo e, talvez, um terceiro, completando o ciclo. Tudo depende do sucesso deste.
Tenho projectos, claro! No início, alguns, a meio, outros e nos epílogos, outros tantos. Memórias da guerra, da vida e da morte, de gente que conheci e deixou marca pelos caminhos que percorreu. Dos meus amigos caninos, seres de outro mundo que passaram pela minha vida. Admiráveis!
__________
Guilherme Valadão 
Era uma vez em Angola
Bertrand, 15,50€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.