MANUEL JORGE MARMELO: 20 Anos de Livros


Manuel Jorge Marmelo comemora este ano 20 anos sobre a edição do seu primeiro livro: O Homem que Julgou Morrer de Amor, obra que hoje considera "um primeiro passo, titubeante e pouco firme". Mas este livro foi uma porta que abriu uma carreira recheada de bons livros e vários prémios. 
Jornalista de profissão, o autor afirma que a ficção lhe dá prazer e que os primeiros livros surgiram apenas "pela simples necessidade de fazer coisas e de provar a mim mesmo que era capaz". 
_____________________________

P-Passaram 20 anos sobre o seu primeiro livro. Olhando para trás, como vê essa sua primeira obra?
R- Vejo-a como um primeiro passo, titubeante e pouco firme, do percurso literário que tenho, depois disso, tentado percorrer. Mas era muito novo, tinha 24 anos quando publiquei O Homem que Julgou Morrer de Amor. Dez anos depois, quando me propus reeditá-lo, percebi o quanto tinha sido capaz de evoluir desde essa primeira tentativa e, por isso, senti-me obrigado a alterar bastante o texto inicial, melhorando-o e aprimorando-o.

P-Como conseguiu publicar? Teve muitas recusas antes da edição?
R- Não. Tive apenas uma recusa, curiosamente da Quetzal, editora com a qual hoje publico. Depois dessa recusa soube do aparecimento de uma nova editora no Porto, a Campo das Letras, à qual levei o original. Tive a sorte de eles estarem a preparar o lançamento de uma colecção dedicada aos novos autores portugueses e acabei por ser o primeiro escritor a ser publicado nessa colecção. Depois disso houve um verdadeiro boom de surgimento de novos autores.

P-Conseguiu imaginar, nessa altura, que poderia tornar-se um dos autores premiados e de referência em Portugal?
R- Não. Nem sequer pensava nisso. Queria apenas escrever ficção, na medida em que era uma coisa que me dava prazer e pela qual eu sentia alguma apetência e curiosidade, desde logo enquanto leitor. Os meus primeiros livros surgiram todos assim, pela simples necessidade de fazer coisas e de provar a mim mesmo que era capaz.

P-De todos os livros que escreveu, tem algum preferido? Qual?
R- Essa é uma pergunta impossível de responder. Quando está a ser escrito, cada livro é merecedor da total dedicação do autor. De outro modo, não chegaria a existir. Mas, quando está terminado, o livro seguinte, ou a ideia do livro seguinte, acaba por concentrar a atenção e a preferência do autor. O livro preferido é sempre o próximo, aquele que ainda é só um germe de livro e que a inépcia (ou as limitações) do autor ainda não prejudicaram.

P-O facto de ser jornalista teve uma grande importância para a construção da sua escrita?
R- Claro que sim. O jornalismo diário, a que me dediquei profissionalmente entre os 18 e os 40 anos, permitiu-me fortalecer o músculo da escrita, tornando-me mais capaz de adequar as ferramentas da língua às ideias, sensações e situações que quero transmitir nos livros.

P-Leituras: autores que o tenham influenciado?
R- São muitos, provavelmente todos os livros que li e de que gostei, e mesmo, se calhar, alguns dos que não gostei. Escreve-se sempre encavalitado sobre uma pilha de livros de outros autores, todos muitos diferentes uns dos outros e, às vezes, aparentemente inconciliáveis. O que há de comum, por exemplo, em José Rodrigues Miguéis e Julio Cortázar? Quase nada. Entre Rubem Fonseca e, por exemplo, Jorge Amado, García Márquez ou Saramago? A mesma coisa, muito pouco. Mas, de algum modo, todos contribuíram para a formação do autor em que me vou transformando.

P-Se pudesse, que livro de outro autor gostaria de ter escrito?
R- Provavelmente todos aqueles de que gostei muito. E são tantos.

P-No seu processo criativo, trabalha em vários livros ao mesmo tempo ou prefere começar e acabar um antes de passar a outro?
R- Trabalho num livro de cada vez e quase sempre a muito custo. Excepto durante o período de quase dois anos em que estive desempregado, tenho de conciliar a literatura com o trabalho e com a vida familiar, com as idas ao supermercado e a cozinha. Sucede muitas vezes que a tentativa de fazer avançar um livro, ao fim do dia, acabe por ser uma de luta desigual contra o sono e o cansaço.

P-Quais são, actualmente, os seus projectos? O que está a escrever?
R- Entreguei um original à editora há algumas semanas e estou à espera de saber o que lhes pareceu. Mas talvez ainda tenha de lhe dedicar algum trabalho para estar realmente pronto. Depois disso espero retomar um projecto com alguns anos.

P-Como se vê, enquanto escritor, daqui a 20 anos?
R- Espero continuar a escrever, a ter ideias e motivação para escrever, e vontade de continuar a tentar fazê-lo um pouco melhor.
__________
Manuel Jorge Marmelo
WEB: www.manueljorgemarmelo.com

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.