Eduardo Cintra Torres | Telenovela, Indústria & Cultura, Lda


1- De que trata este seu livro “Telenovela, Indústria & Cultura, Lda"?
R- Este livro visa dar a conhecer o processo de construção de uma telenovela em Portugal. Durante seis meses, acompanhei a feitura da novela Mar Salgado, através de um único episódio, escolhido ao acaso: desde a reunião em que a autora apresentou à equipa de argumentistas as ideias-chave dos episódios a escrever nessa semana até à sua apresentação na SIC e apreciação da novela em geral por um grupo de espectadores. Depois daquela reunião, acompanhei as várias versões do argumento, reuni com argumentistas, com a directora do projecto, acompanhei o processo burocrático da Continuidade, visitei o guarda-roupa e cenários, estive nas gravações de várias cenas, falei também com os responsáveis da produtora, a SP Televisão, e da SIC. Acompanhei a pós-produção (cor, som final). Verifiquei como o episódio, tal como escrito e entregue, foi depois dividido por duas noites pela SIC.

2- De forma resumida, qual a principal ideia que espera conseguir transmitir aos seus leitores?
R- O livro procura analisar, à medida que apresentou a minha "grande reportagem", como a dimensão cultural e a dimensão industrial da novela se entrelaçam, como se condicionam e como não podem viver uma sem a outra. Essa análise ainda não existia, pelo que foi este o meu contributo para o estudo da telenovela, quer em Portugal, quer na América Latina. Tentei fazer um livro que fosse interessante para qualquer leitor ou espectador e que ao mesmo tempo contribuísse para os estudos académicos de televisão.

3- Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Dentro de poucos meses deverá sair um livro de que sou o organizador. Trata-se da primeira reedição da única obra de ficção de Afonso Lopes Vieira, "Marques" (História dum Perseguido), que jaz nas bibliotecas desde 1903. A Imprensa Nacional-Casa da Moeda acolheu a minha proposta de reeditar esta novela que vários autores, como David Mourão-Ferreira, Aquilino Ribeiro e João Gaspar Simões, consideraram uma obra-prima esquecida ou uma novela de grande modernidade. A reedição incluirá dois estudos: um de Cristina Nobre, enquadrando literariamente a novela, e outro meu, analisando-a no âmbito da sociologia da literatura, focando aspectos como o anarquismo literário, a cidade e a anomia, a irreligiosidade e o suicídio no dealbar do século XX, temas que Lopes Vieira transfigurou com grande brilho literário. Para publicação em 2017, já tenho editora para um estudo histórico da greve geral no Porto em 1903, a maior greve em Portugal até então. Já publiquei dois artigos académicos parciais sobre este movimento social, igualmente esquecido, um sobre as repercussões literárias, outro sobre a sua relação com a imprensa diária de então, mas pretendo agora juntar à sociologia da literatura e dos media a análise propriamente histórica desse acontecimento, que mudou o rumo do movimento operário português e apresentou características que impressionam pela modernidade.
__________
Eduardo Cintra Torres
Telenovela, Indústria & Cultura, Lda
Fundação Francisco Manuel dos Santos, 3,50€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.