Thomas Bogg | O Título

1- De que trata este seu livro “O Título"?
R- Vejo “O Título” como uma constelação de pensamentos, ideias e interpelações de escrita. É uma autêntica experimentação desenhada num estilo que intenciona confundir mas que, nesta confusão, quer buscar algo de valorizável que muitas vezes vem dissuadido da discussão habitual por demorar tempo a ser sintetizado e percebido. Com este livro queria também instigar uma nova conversa a nível geracional. O subtítulo “Uma transmodernização das coisas” é ambos uma brincadeira e um conceito que empolga o livro em si. A transmodernização é substância de uma ficção ao mesmo tempo que vai ser a substancialização de uma nova ficção necessária à mudança. Uma nova história, sobre o mundo e os valores que estimamos, que nos conduza do ideal ao desejo e através deste compreendermos um motivo de vida que seja explicitamente nosso, que nos dê direção e afirmação numa altura em que este sentido de existência está em falta. Para estes fins, recorro a paradoxos, afirmo a importância do indivíduo, problematizo definições, procuro reescrever visões do mundo e passo períodos de tempo significativos a analisar conceitos como o futuro, a relatividade das coisas e, enfim, o significado da significação.

2- De forma resumida, qual a principal ideia que espera conseguir transmitir aos seus leitores?
R- Acima de tudo, quero que o leitor se sinta apoderado com a leitura, que consiga retirar dela a perpétua importância da individualidade que a pessoa envolvida na leitura tem. Quero alertar para o facto de que esta relação, de leitor-texto, está tanto dependente de uma experiência de receber com sucesso algo do texto para o interior da consciência com que a leitura vai sendo realizada, como vai depender da significação interiorizada ter sido uma significação ao mesmo tempo possível, quase exterior ao texto, que não seja propriamente o texto, e que expressa mais que uma objetividade textual, expressando a relação de um indivíduo numa circunstância propriamente pessoal, que vai interferir na própria significação de qualquer texto. O leitor como um escritor, também. Tento trazer esta perceção à realidade através do estilo em que o livro está escrito, e também através de uma elaboração teórica da ideia em si própria ao longo do desenvolvimento da obra.

3-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Neste momento estou a retratar uma obra de língua inglesa que escrevi em 2014. Chama-se “The Draft” (O Rascunho). Foi nessa altura que comecei a desenvolver as ideias que apresento em “O Título” e que, agora, vou continuar a pensar e repensar nos trabalhos que seguirem. Penso que estou na génese daquilo que deverei por último assinalar no meu trabalho “transmoderno”. O Título é um primeiro passo nessa direção e espero provocar muitas leituras e desenvolver muitas relações intelectuais ao longo do caminho.
__________
Thomas Bogg
O Título
Chiado Editora, 15€

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.