Micaela Gregório | Palavras Guardadas

1- “Palavras Guardadas” foi um livro escrito com dor ou à procura da libertação de uma experiência passada?
R- “Palavras Guardadas” foi uma forma de desabafo. Na altura, não me sentia à vontade para falar com ninguém sobre o que se passava na minha vida. Deste modo, comecei a escrever o que sentia e, quando dei por mim, tinha já bastantes páginas. É claro que todo o processo de escrita esteve ligado a um grande número de emoções, incluindo a dor, mas a conclusão do livro permitiu-me pôr um fim àquele capítulo da minha vida. Este livro permitiu-me libertar todas as emoções e palavras que guardava para mim, tendo servido como uma forma de terapia que me permitiu ultrapassar os acontecimentos.

2- Porque preferiu um livro de testemunho quando talvez fosse mas fácil escrever uma novela ou um romance contando a história?
R- Acredito que um livro que conta uma história real, na primeira pessoa, me permite transmitir, de modo mais fiável, os sentimentos e mensagens que pretendo passar. Os leitores têm um contacto mais íntimo com a própria história, podendo identificar-se com a mesma. Para além disso, escrevi este livro para o meu pai. Queria que as minhas palavras chegassem a ele e, assim, este livro só poderia ser escrito deste modo.

3-Pensando no futuro: o que está a escrever actualmente?
R- Atualmente, devido aos estudos, tenho pouco tempo para a escrita. No entanto, sempre que posso, gosto de me sentar e escrever. Neste momento, tenho por terminar o segundo livro de uma saga de fantasia mas tenho novas ideias para desenvolver.
__________
Micaela Gregório
Palavras Guardadas
Chiado Editora

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.