Estevão Azevedo | Tempo de Espalhar Pedras


1-O que representa, no contexto da sua obra, o livro «Tempo de Espalhar Pedras»?
R- O romance representa um novo patamar no contexto da minha obra por fatores literários, isto é, interiores ao texto, e extraliterários, mais relacionados ao mercado do que à obra em si. Primeiro, os propriamente literários. Esse romance é o meu primeiro narrado em terceira pessoa, o que representa uma série de novos problemas, mais distantes do subjetivismo no qual eu navegara até então. Soma-se a isso o fato de, ao contrário da imensa maioria de meus textos anteriores, a matéria de que tratei não estar relacionada à minha trajetória pessoal. Eu não sabia nada de garimpo de diamantes e muito pouco do lugar e do tempo em que a trama ocorreria. Por conta desse distanciamento, foi preciso emular uma linguagem específica, que se dá a ver na sintaxe, na escolha dos vocábulos, no ethos. Tive de me servir de muitas fontes, das mais variadas. Telenovelas da minha infância, romances regionalistas, músicas, filmes, certa memória de família... Do ponto de vista da carreira, o romance foi um salto decisivo: a recepção da crítica, simbolizada pela eleição como livro do ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura, fez com que eu vencesse o maior dos desafios: conquistar pelo menos alguns leitores num país onde praticamente não se lê.

2-Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R- O livro nasceu do encontro de duas ideias. A primeira, um relato feito por um guia de trilhas durante uma viagem por uma região de natureza exuberante conhecida como Chapada Diamantina, no interior do estado da Bahia. Disse ele que havia nas imediações um vilarejo erguido por garimpeiros de diamantes. Depois de um período de pujança, as pedras escassearam. Foi então que os homens se deram conta de que o único lugar em que ainda poderia haver diamantes era exatamente onde estava o vilarejo. Começaram, então, a garimpar nas praças, nas ruas, nas casas, até a destruição total. Esse relato nunca me saiu da memória, pois me pareceu uma alegoria muito poderosa da cobiça. Anos mais tarde, surgiu a segunda ideia que está na gênese de “Tempo de espalhar pedras”. Meu primeiro romance, “Nunca o nome do menino”, tinha ambientação urbana e contemporânea e personagens cultos, do universo letrado, como artistas e escritores. Por conta disso, após a publicação, eu me impus o desafio de escrever algo que se passasse em tempo e lugar distintos dos de minha experiência. Foi então que o relato do vilarejo destruído pelo garimpo ressurgiu: era a moldura de que eu precisava para o romance que pretendia escrever.

3-Esta é a sua primeira obra editada em Portugal: que expectativas tem sobre a recepção dos leitores portugueses?
R-Eu estou muito ansioso pela chegada do livro a Portugal porque imagino (como leitor de autores de países que falam português, vivo isso) que possa causar ao mesmo tempo estranhamento e familiaridade. É a mesma língua, mas também muito diferente. Lermos os livros uns dos outros – brasileiros e portugueses e lusófonos – talvez seja o equivalente a encontrar um irmão gêmeo do qual fomos separados ao nascer. Uma identificação extrema e imediata pela semelhança aparente e um enorme estranhamento pelas diferenças profundas.
__________
Estevão Azevedo
Tempo de Espalhar Pedras
Cotovia

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.