Fernando Correia | O que Eu Sei de Mim

1. Qual a ideia que esteve na origem desta autobiografia?
R- Comemorar os meus 60 anos de comunicação, na rádio, imprensa e televisão, deixando ao mesmo tempo uma visão histórica daqueles anos, sobretudo 60 e 70, com toda a envolvência da censura, do estado novo, da ditadura, da ânsia de liberdade. Ao mesmo tempo contar alguns episódios verídicos da minha carreira que me ajudaram a crescer profissionalmente e a ter uma outra visão do Mundo. Também percebo que este seja, ao mesmo tempo, um livro de vida. 

2. Dos 60 anos de carreira profissional, consegue escolher o episódio mais marcante, que que mais o impressionou?
R- Sem dúvida as reportagens de guerra e morte (sem sentido) vividas em Angola durante 4 meses no início do ano de 1961 e também a partida dos barcos para as Colónias repletos de soldados que não sabiam muito bem ao que iam e o regresso dos contingentes militares que tinham outra missão: a de entregar às famílias os corpos dos companheiros mortos.

3. E agora, Fernando: o que espera do futuro?
R- Enquanto tiver voz quero continuar a fazer rádio e televisão. Vou escrever mais e mais, enquanto a mente me ajudar. Por enquanto sinto-me um homem sem idade que quer ser útil à vida.
__________
Fernando Correia
O que Eu Sei de Mim (Autobiografia)
Guerra e Paz   13,90€
Fernando Correia na "Novos Livros" | ENTREVISTAS

Siga a "Novos Livros" por Email

A BIBLIOTECA

A BIBLIOTECA
(C) Vieira da Silva

Diga não ao cruel comércio da morte.