Apoie a Amnistia Internacional Portugal

João Moita | Uma Pedra sobre a Boca

1-O que representa, no contexto da sua obra, o livro «Uma Pedra sobre a Boca»?
R- Com este livro faço o balanço e fecho a tudo o que escrevi: ele é a minha obra. Nele refundo os meus dois primeiros livros, reduzidos em dois terços e trabalhados até à deformação, e reedito, também com alterações, inclusões e exclusões, o meu terceiro livro, Fome, que teve duas edições de pequena tiragem, entretanto esgotadas. Este momento fixa o que fui capaz de escrever e ainda não rejeitei, e daqui por diante só concebo que este corpo diminua, até se tornar essencial, isto é, pura potencialidade. Significará que me tornei melhor e mais insatisfeito leitor.

2-Qual a ideia que esteve na origem do livro?
R- Como poeta póstumo a mim mesmo, com escassa obra inencontrável, queria uma última oportunidade para estabelecer o meu corpus, procedendo às elisões e ajustes que considerava necessários, ao mesmo tempo que lhe assegurava uma exposição que, justa ou injustamente – é o que veremos –, nunca teve.

3-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Deixei de escrever. Nunca nada me satisfez, e chega de humilhação.
__________
João Moita
Uma Pedra sobre a Boca
Guerra e Paz  €