Catarina Costa | Prémio Nacional de Literatura Lions

“Aprender a depurar as palavras”

Catarina Costa acaba de receber o Prémio Nacional de Literatura Lions de Portugal/2022 com “Periferia”. É o seu primeiro romance depois de ter começado a publicar poesia em 2008: “A ficção surgiu de forma natural, ao sentir necessidade de dar uma forma mais narrativa e mais detalhada às ideias que queria fixar no papel”. Com uma narrativa cinematográfica, vai revelando o difícil dia-a-dia de uma mulher em fuga permanente pelas ruas de uma cidade opressiva, cruel e perigosa. O resultado é uma interessante obra distópica e muito intensa. A ler, sem a mínima dúvida.
__________

1-Como recebeu o Prémio Nacional de Literatura Lions de Portugal?
R-Com surpresa e alegria. Não tinha expectativas de ganhar o prémio (nem estava sequer a pensar nisso) por isso quando recebi a notícia fiquei obviamente feliz.

2-«Periferia» é o seu primeiro romance: como espera poder olhar para ele daqui a 20 anos?
R-Espero poder olhar para ele com curiosidade e até nostalgia, como quem descobre um objecto singular, embora não inteiramente estranho, do passado. Parece-me lógico que vá encontrar linhas de continuidade entre este livro e o que quer que eu esteja a escrever nessa altura. Por outro lado, não costumo focar-me muito nas coisas que escrevi (publicadas ou não) em épocas mais distantes da minha vida. Sinto que devem manter-se no sítio onde ficaram, em repouso.

3-Qual a ideia que esteve na base desta obra?
R-Eu pretendia narrar as deambulações de uma mulher em fuga por uma cidade e que estabelecia para si mesma o objectivo de, dia após dia, passar despercebida entre a multidão. As deambulações desta mulher, que se transformava numa espécie de fantasma, seriam também uma travessia interior. Ao mesmo tempo que ela seria conduzida pelo medo e pelo instinto de sobrevivência, tendo de focar a acção e o pensamento no que seria urgente e essencial, ela também iria encontrando o seu espaço de reflexão sobre os lugares que cruzava. Progressivamente fui desenvolvendo a narrativa e a ambiência distópica em que esta personagem se movia.

4-Depois de vários livros de poesia, como surgiu a ficção no seu processo criativo?
R-A ficção surgiu de forma natural, ao sentir necessidade de dar uma forma mais narrativa e mais detalhada às ideias que queria fixar no papel. Penso, de qualquer forma, que a escrita poética é um bom ponto de partida para a exploração de outras escritas literárias. Aprender a depurar as palavras como quando escrevemos poemas ajuda-nos a ter um maior domínio sobre a linguagem.

5-Quais são os autores que mais influenciaram a sua escrita de ficção?
R-São muitos. Alguns autores influenciaram-me mais directamente, enquanto outros de modo mais inconsciente. Posso deixar aqui alguns nomes, sem nenhuma ordem em particular: Franz Kafka, Fernando Pessoa, Maria Gabriela Llansol, Thomas Bernhard, Clarice Lispector.

6-Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R-Neste momento estou apenas a recolher ideias para aquilo que será talvez outra obra de ficção, mas ainda não tenho nada de substancial para além de muitos apontamentos fragmentários que, aliás, entram em colisão uns com os outros.
__________
Catarina Costa
Periferia
Guerra e Paz  16€

COMPRAR O LIVRO

……………..…..

Escritores
falam
sobre
José Saramago
LER

………………….


Quando nós olhamos para o estado em que o mundo se encontra, damo-nos conta de que há milhares e milhares de seres humanos que fizeram da sua vida uma sistemática acção perniciosa contra o resto da humanidade. Nem é preciso dar-lhes nomes.

JOSÉ SARAMAGO

João Cerqueira: “Projectou internacionalmente a literatura portuguesa”

1-No ano do centenário de José Saramago, qual o principal legado do escritor? R-Como é sabido, Saramago projectou internacionalmente a literatura portuguesa e influenciou vários escritores actuais. Soube também separar a suas ideias políticas da escrita dos seus romances. 2-Qual…

Ler mais

Carlos Vale Ferraz: “A sua reflexão sobre as desigualdades resultantes da forma de exploração dos recursos do planeta e dos seres humanos”

1-No ano do centenário de José Saramago, qual o principal legado do escritor? R-A sua reflexão sobre as desigualdades resultantes da forma de exploração dos recursos do planeta e dos seres humanos. Independentemente de concordarmos ou não com as suas…

Ler mais

João Rodrigues: “A onda neoliberal já não é tão forte, há mais rejeição, dados os seus resultados desastrosos”

P-Qual a ideia que esteve na origem deste seu livro «O Neoliberalismo não é um Slogan»? R-Apresentar de uma forma relativamente acessível e crítica os principais contornos da ideologia neoliberal, um conjunto de ideias poderosas com lastro histórico e institucional,…

Ler mais

Carlos Campaniço: “Consegue passar do fantástico para o realismo com uma mestria extraordinária”

1-No ano do centenário de José Saramago, qual o principal legado do escritor? R-O legado de Saramago é multiplo e incomensurável. Para além de ter dado luz à Literatura de Língua Portuguesa, de ter valorizado concomitantemente a nossa Língua e …

Ler mais